A expectativa dos palestinos pela visita do Papa Francisco

17/01/2014 08:23

Belém (RV) – “Queremos a paz. Temos necessidade de paz. É isso que direi ao Pontífice quando o encontrar”. Foi o que afirmou a Prefeita de Belém, Vera Baboun, falando sobre as expectativas pela visita do Papa Francisco à Terra Santa, de 24 a 26 de maio próximo. Em Belém será celebrada uma Missa na Praça da Mangedoura, diante da Basílica da Natividade.

“Uma visita importante – reitera a Prefeita de fé cristã, como manda a tradição na cidade onde nasceu Jesus. A mensagem que nos chega é que não estamos sozinhos. O Papa tem o seu modo de agir, de comportar-se, como podemos observar nas suas audiências. Não sei o que ele fará aqui entre nós. Estou segura que esta visita significará um novo recomeço para esta terra. O Papa, de fato, virá após a retomada das negociações previstas para abril. O Papa abraçará a todos”.

Belém já se preparara para o evento que acolherá milhares de peregrinos, com a promessa de que todos serão bem recebidos: “Os faremos sentir em sua casa, turistas ou peregrinos. Belém é a casa de todos”, recorda a Prefeita, exortando os peregrinos a “permanecerem em Belém por alguns dias e não somente por algumas horas”. 

“Permaneçam conosco – é o convite – conheçam a nossa gente, caminhem pela nossa cidade. Não peço que entrem nas lojas de souvenirs, mas sim nas nossas casas. Conheçam as pedras vivas desta terra martirizada. Não nos deixem sozinhos”.

Para Nabil Shaat - ex-responsável pelas negociações de paz com Israel e Ministro do Exterior palestino por 12 anos e hoje no Comitê Central da Fatah, o maior partido palestino -, “a visita do Papa Francisco será de grande apoio e conforto para os cristãos palestinos e não somente para aqueles de Belém, que espero, decidam sempre mais permanecer na Terra Santa. A Palestina está perdendo a sua população cristã que desenvolve um papel importante aqui, especialmente no que diz respeito à capacidade de relacionar-se, de desenvolver o direito e a liberdade. Somos Terra Santa onde cristãos, muçulmanos e judeus devem poder viver juntos. Será uma viagem que produzirá não somente frutos espirituais, mas também terão uma influência no processo de paz”, explicou.

“A nossa esperança é que se possa viver um ao lado do outro, israelenses e palestinos, e que os Lugares Santos, onde quer que estejam, sejam abertos a todos os fiéis das três religiões e sejam seguros”. Para chegar a isto “são necessárias decisões corajosas”, concluiu Shaat, fazendo referência às recentes palavras do Papa Francisco dirigidas ao Corpo Diplomáticos – “e nós palestinos estamos prontos a tomá-las”. (JE)

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!